Cadela é morta a pauladas na frente da família no Rio de Janeiro

Imagens gravadas pela mulher mostram marido batendo no animal em São Francisco de Itabapoana.

Um cachorro foi morto na frente de toda a família em São Francisco de Itabapoana, no Norte Fluminense. As imagens foram gravadas pela própria esposa do homem suspeito de agredir o animal. As imagens estão circulando nas redes sociais.

“Olha só o que que o meu marido, que agora é ex, acabou de fazer com a cachorra. Matou a cachorra, ensanguentou tudo, olha. Matou a cachorra, ‘essezinho’ aqui. Esse sujeito aqui. [Aponta para o homem]. Olha o sangue na cabeça dele aqui. Isso é pra todo mundo ver. Olha o estado da minha avó que tem pressão alta. E a cachorra morta”, diz a mulher, indignada.

O crime teria acontecido porque a cadela Lili teria mordido o pé do homem por se assustar com ele. A cachorra pertencia aos avós da ex-esposa, pois decidiu se separar dele. A família tentou conter a fúria do homem, mas não conseguiu segurá-lo e ele bateu com a cabeça do animal diversas vezes na parede, o jogou para cima e pisou no corpo dele.

O vídeo mostra a dona da cachorra chorando com o corpo do animal no colo.

O caso foi registrado na delegacia do centro de Campos dos Goytacazes, mas será investigado pela delegacia de São Francisco de Itabapoana. A família afirma que a cadela era a companhia da idosa, que sofre de pressão alta, e do marido dela, que sofre de Alzheimer.

“Eu não imaginava que ele seria capaz disso. Eu imaginava que ele iria colocar a cachorra na rua, mas não matar na frente do meu filho de dois anos, na minha frente, na frente da minha mãe e dos meus avós. Eu estou acabada” destacou Larissa Porto, que gravou as imagens.

Matar animais é crime

Matar cachorro – ou qualquer outro animal – é crime. Não importa se o animal é doméstico, domesticado, silvestre, nativo ou exótico.

O que trata disso é o artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais, de 1998. A lei prevê detenção de três meses a um ano, além de multa, para quem “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar” qualquer tipo de animal. Se houver a morte do bichinho, a pena aumenta até um terço.

Com informações G1

você pode gostar também Mais do autor